Ceará Sporting Club - Campeão da Popularidade
Entrevistas

“O Ceará fez a minha vida ser mais feliz”

Símbolo alvinegro, Helena Oliveira fala sobre seus 49 anos de Ceará

Helena conquistou a todos que passaram pelo Ceará Sporting Club

No dia 08 de outubro de 1947, começou a ser escrita a história de uma guerreira: Maria Helena Oliveira da Silva. Natural de Maranguape/CE, a cearense se mudou para a capital logo aos sete anos, quando teve que amadurecer para vencer na vida. Depois de se casar aos 15 anos, Helena conseguiu um emprego no Ceará Sporting Club, onde está até hoje.

Mãe de três filhas (Cristina Santana, Taciana Oliveira e Ana Maria Oliveira), Helena conquistou a todos que passaram pelo Ceará Sporting Club, tornando-se um símbolo alvinegro, afinal, é a funcionária mais antiga do clube. Em entrevista exclusiva ao CearáSC.com, esta torcedora apaixonada pelo Vozão fala sobre os seus 49 anos de Ceará e revela histórias de sua vida.

CearáSC.com: Como começou a história entre Dona Helena e o Ceará Sporting Club?
Dona Helena: Tudo começou no dia 09 de agosto de 1964, se eu não me engano. Meu marido cortava grama do estádio e arrumou uma vaga para eu lavar as roupas dos jogadores e comissão técnica... Muitos achavam que eu não daria conta, mas consegui fazer bem meu trabalho e estou aqui até hoje.

CearáSC.com: Como foi seu primeiro dia de trabalho no Ceará? Aconteceu algo que marcou?
D. Helena: Eu já sabia lavar roupa e quando fui pegar o material me assustei. Era muita coisa e eu tive que lavar tudo em casa. Tudo tinha que ser lavado à mão, com sabão de barra e, logo no começo já cometi um erro. Fui lavar o material e vi algumas ataduras usadas, então, joguei tudo fora, achando que não servia mais... Achei que era um monte de pano velho, sem serventia... Só sobrou um par de ataduras, que eu só não joguei porque estava novo.

CearáSC.com: Como começou: Como surgiu a oportunidade de ter uma casa própria?
D. Helena: Isso aconteceu recentemente, quando eu já havia me separado do meu ex-marido, mas eu nem lembro ao certo. O Evandro tinha projetos para o clube e a minha casa estava no caminho, então, ele comprou uma casa ao lado do clube e é lá onde eu moro com uma de minhas filhas.

CearáSC.com: Como começou: Foram muitos anos morando dentro do clube. O que sentiu ao ter que sair?
D. Helena: Por um lado fiquei feliz, mas por outro fiquei com medo. O Evandro havia comprado um local para mim, mas eu sempre gostei e me acostumei a ficar aqui 24 horas por dia. Ele queria construir uma casa para mim dentro do clube mesmo, mas ficou com medo de, futuramente, outro presidente querer me tirar daqui, então, preferiu comprar logo uma casa. Pensei que fosse mudar muita coisa na minha vida e até que eu seria demitida depois de sair de dentro do clube, mas confiei nele e deu tudo certo.

CearáSC.com: Como começou: O que você pensa do Presidente Evandro Leitão?
D. Helena: Eu sempre me dei bem com todos os presidentes que passaram por aqui, mas o Evandro foi especial. Sempre gostei dele e vi que ele se importava com as pessoas que tinham história aqui. Nunca ninguém me convenceu a sair de dentro do clube, mas ele me passou tanta confiança que eu aceitei uma vida morando fora do Ceará... Ainda bem que a minha casa fica bem em frente à sede.

CearáSC.com: Como começou: Como é o seu novo ambiente de trabalho?
D. Helena: Estando dentro do Ceará... Eu fico feliz e a lavanderia é ótima. As pessoas até brincam que as vezes eu digo “minha casa”, quando estou me referindo à lavanderia. Eu tenho tudo lá... TV, rádio, guarda-roupa, cadeiras, mesas, além de todo o material para trabalhar... Eu tenho máquinas que me ajudam demais no meu serviço... Mudou tudo e o meu trabalho ficou mais fácil e prazeroso para uma pessoa com a minha idade.

CearáSC.com: Como começou: Antes de vir trabalhar no Ceará, você já torcia pelo clube?
D. Helena: Já torcia sim, mas nunca tinha tido a oportunidade de ir ao estádio. Comecei a trabalhar aqui e fui algumas vezes para os jogos, mas eu confesso que eu prefiro acompanhar pelo meu radinho de pilha. Me acostumei assim e não faço questão de ir ao estádio hoje, mas sou torcedora sim... Não perco um jogo.

CearáSC.com: Como começou: Como você faz para acompanhar os jogos, já que não gosta de ir aos estádios?
D. Helena: Eu nunca gostei de assistir no estádio e nem na televisão... Eu gosto do meu radinho. Fico feliz nas vitórias, chateada com derrotas, mas nunca mudei o meu jeito. O Ceará é tudo pra mim e as vezes me dá uma aflição saber que o time perdeu, porém, nada como um jogo após o outro.

CearáSC.com: Como começou: Duas de suas filhas trabalham no Ceará. O que você pensa disso?
D. Helena: Elas foram criadas dentro do clube e conhecem o local tanto quanto eu, então, fico feliz pela Cristina e pela Taciana (Serviços gerais). Estou aqui há quase 50 anos, vivi grande parte da minha vida no Ceará e sou muito feliz, por isso, quero é que minhas filhas sejam felizes também, independente de onde elas trabalhem. Hoje estão aqui, batalhando ao meu lado e torço para que elas sejam felizes como eu fui e como eu ainda sou.

CearáSC.com: Como começou: Você já deixou claro que gosta muito do Presidente Evandro Leitão. Você admira mais alguém no clube?
D. Helena: Falo muito do Dimas (Filgueiras, auxiliar técnico), pois, ele entrou no Ceará logo depois de mim, há muito tempo também. Vi ele jogar pelo time, se aposentar e permanecer aqui até hoje. Ele sempre ajudou e ainda faz isso pelo clube. Gosto muito do Dimas, principalmente por conta das vezes que o Ceará ia jogar os clássicos... Ele sempre escalava bem o time e nós vencíamos o jogo. Outra coisa boa que ele faz é dar oportunidades aos nossos meninos das Categorias de Base.

CearáSC.com: Como começou: Como é o seu relacionamento com os jogadores?
D. Helena: Não tenho mais tanto contato com eles. Antigamente, todo mundo que chegava eu sempre fazia amizade, tratava todos eles como se fossem meus filhos e, quando eles deixavam o clube, eu ficava sentindo muito. Sempre me apeguei demais aos jogadores que defenderam o Ceará, mas o mundo do futebol é assim... Um jogador chega hoje e não passa muito tempo. É por isso que eu sempre destaco o Sérgio Alves, o Dimas, o Mota, o João Marcos e outros. Eles fizeram e fazem história aqui e isso é bonito.

CearáSC.com: Como começou: O que o Ceará Sporting Club representa na sua vida?
D. Helena: Tudo... O Ceará fez a minha vida ser mais feliz. Aprendi muita coisa aqui e guardo tudo isso até hoje. Nunca me faltou um sorriso, nem disposição para trabalhar e, além de tudo isso, construí minha família graças ao clube... Vivo cada momento como se fosse o último e agradeço a Deus por tudo o que eu tenho, afinal, algumas pessoas acompanham o futebol de fora e nem imaginam as histórias que o time tem, enfim, o Ceará representa muita coisa na minha vida.

Galeria